10979nam a2200242 a 4500001000800000005001100008008004100019100002100060245011600081260001600197300001100213500014600224520102000037065000281057065000121059865000191061065000111062965000271064065300251066765300121069265300161070465300161072019875642016-07-13 2013 bl uuuu m 00u1 u #d1 aVIEIRA, A. D. S. aDesenvolvimento de queijo caprino tipo petit-suisse simbiótico com polpa de açaí (Euterpe oleracea Martius). a2013.c2013 a127 f. aDissertação (Mestrado) - Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Orientador: Susana Marta Isay Saad. aOs objetivos do trabalho foram desenvolver um queijo petit-suisse simbiótico a partir de leite de cabra e polpa de açaí, com a cultura probiótica Lactobacillus paracasei LPC-37 e os prebióticos inulina e fruto-oligossacarideos (FOS), verificar a viabilidade e sobrevivência do probiótico no produto e frente às condições gástricas e entéricas simuladas in vitro e avaliar as características dos queijos ao longo de seu armazenamento a 4ºC, bem como comparar o queijo petit-suisse simbiótico de cabra com o similar produzido a partir de leite de vaca. O delineamento experimental consistiu-se de três tipos de queijo petit-suisse caprino, em triplicata, todos utilizando S.thermophilus TA-40 como cultura starter: QCC = controle; QCP = probiótico (com cultura probiótica LPC-37); QCS = queijo simbiótico (com LPC-37 + prebióticos). Os queijos foram armazenados a 4ºC e analisados semanalmente por até 28 dias. Adicionalmente, para fins de comparação com o QCS, foi, também, produzido um queijo similar com leite de vaca: QVS = queijo simbiótico de leite de vaca (com culturas starter e probiótica LPC-37 + prebióticos). A viabilidade dos probióticos e da cultura starter, a sobrevivência in vitro do probiótico incorporado aos produtos frente às condições gastrintestinais simuladas, bem como as análises de pH, acidez titulável e dureza instrumental dos queijos foram monitorados no produto final e semanalmente até 28 dias de armazenamento. A partir de amostras do dia 1 de armazenamento mantidas congeladas e liofilizadas, respectivamente, foi determinada a sua composição centesimal e de ácidos graxos. A aceitabilidade sensorial dos queijos frente a públicos de duas localidades distintas - de Sobral/CE e de São Paulo/SP foi realizada, respectivamente, aos 7, 14, 21 dias e aos 14 e 21 dias de armazenamento dos queijos. A avaliação sensorial em São Paulo foi conduzida somente em dois pontos, em virtude de dificuldades quanto à logística, envolvendo o transporte dos queijos até São Paulo. Os queijos petit-suisse caprinos apresentaram populações de LPC-37 superiores a 7,93 log UFC/g até 28 dias de armazenamento. As populações de S. thermophilus tiveram reduções significativas (p<0,05) de até 1 ciclo log ao longo do armazenamento nos queijos QCP e QCS. A sobrevivência in vitro de LPC-37 foi baixa, com uma taxa de sobrevivência decrescente ao longo do armazenamento de QCS (de 47,0 para 32,5%) e de QVS (de 48,8 para 30,0%) e crescente para QCP (de 26,5 para 55,9%) para na fase entérica. Quanto à sobrevivência in vitro da LPC-37 na fase gástrica, o queijo de leite de vaca mostrou maior queda da taxa de sobrevivência (de 54,5 para 44,4%) ao longo do armazenamento (p<0,05). A adição de prebióticos influenciou significativamente (p<0,05) o aumento da dureza do queijo QCS. Não foi observada diferença (p>0,05) entre a aceitabilidade dos queijos caprinos frente aos consumidores das duas localidades avaliadas, com exceção do QCS aos 21 dias, onde se observou uma menor aceitabilidade por parte dos consumidores de São Paulo, os quais também revelaram menores intenções de compra. Entre os queijos simbióticos, o de vaca (QVS) foi mais aceito que o seu equivalente de cabra (QCS) em ambas as localidades, com intenção de compra >80% e >55%, respectivamente, em Sobral e em São Paulo. Os resultados revelaram que os queijos petit-suisse caprinos apresentam-se como matrizes alimentares adequadas para a incorporação de L. paracasei LPC-37 em combinação com os prebióticos inulina e FOS, com boa aceitabilidade sensorial, principalmente pelos consumidores de Sobral/CE. Abstract: Dissertação de MestradoDocumentoDissertação de MestradoAutorVieira, Antonio Diogo Silva (Catálogo USP)Nome completoAntonio Diogo Silva VieiraE-mailE-mailUnidade da USPFaculdade de Ciências FarmacêuticasÁrea do ConhecimentoTecnologia de AlimentosData de Defesa2013-10-11ImprentaSão Paulo, 2013OrientadorSaad, Susana Marta Isay (Catálogo USP) Banca examinadora Saad, Susana Marta Isay (Presidente) Hassimotto, Neuza Mariko Aymoto Sivieri, Katia Título em portuguêsDesenvolvimento de queijo caprino tipo petit-suisse simbiótico com polpa de açaí (Euterpe oleracea Martius)Palavras-chave em português Alimentos funcionais Frutanos Lactobacillus paracasei Prebióticos Probióticos Resumo em portuguêsOs objetivos do trabalho foram desenvolver um queijo petit-suisse simbiótico a partir de leite de cabra e polpa de açaí, com a cultura probiótica Lactobacillus paracasei LPC-37 e os prebióticos inulina e fruto-oligossacarideos (FOS), verificar a viabilidade e sobrevivência do probiótico no produto e frente às condições gástricas e entéricas simuladas in vitro e avaliar as características dos queijos ao longo de seu armazenamento a 4ºC, bem como comparar o queijo petit-suisse simbiótico de cabra com o similar produzido a partir de leite de vaca. O delineamento experimental consistiu-se de três tipos de queijo petit-suisse caprino, em triplicata, todos utilizando S.thermophilus TA-40 como cultura starter: QCC = controle; QCP = probiótico (com cultura probiótica LPC-37); QCS = queijo simbiótico (com LPC-37 + prebióticos). Os queijos foram armazenados a 4ºC e analisados semanalmente por até 28 dias. Adicionalmente, para fins de comparação com o QCS, foi, também, produzido um queijo similar com leite de vaca: QVS = queijo simbiótico de leite de vaca (com culturas starter e probiótica LPC-37 + prebióticos). A viabilidade dos probióticos e da cultura starter, a sobrevivência in vitro do probiótico incorporado aos produtos frente às condições gastrintestinais simuladas, bem como as análises de pH, acidez titulável e dureza instrumental dos queijos foram monitorados no produto final e semanalmente até 28 dias de armazenamento. A partir de amostras do dia 1 de armazenamento mantidas congeladas e liofilizadas, respectivamente, foi determinada a sua composição centesimal e de ácidos graxos. A aceitabilidade sensorial dos queijos frente a públicos de duas localidades distintas - de Sobral/CE e de São Paulo/SP foi realizada, respectivamente, aos 7, 14, 21 dias e aos 14 e 21 dias de armazenamento dos queijos. A avaliação sensorial em São Paulo foi conduzida somente em dois pontos, em virtude de dificuldades quanto à logística, envolvendo o transporte dos queijos até São Paulo. Os queijos petit-suisse caprinos apresentaram populações de LPC-37 superiores a 7,93 log UFC/g até 28 dias de armazenamento. As populações de S. thermophilus tiveram reduções significativas (p<0,05) de até 1 ciclo log ao longo do armazenamento nos queijos QCP e QCS. A sobrevivência in vitro de LPC-37 foi baixa, com uma taxa de sobrevivência decrescente ao longo do armazenamento de QCS (de 47,0 para 32,5%) e de QVS (de 48,8 para 30,0%) e crescente para QCP (de 26,5 para 55,9%) para na fase entérica. Quanto à sobrevivência in vitro da LPC-37 na fase gástrica, o queijo de leite de vaca mostrou maior queda da taxa de sobrevivência (de 54,5 para 44,4%) ao longo do armazenamento (p<0,05). A adição de prebióticos influenciou significativamente (p<0,05) o aumento da dureza do queijo QCS. Não foi observada diferença (p>0,05) entre a aceitabilidade dos queijos caprinos frente aos consumidores das duas localidades avaliadas, com exceção do QCS aos 21 dias, onde se observou uma menor aceitabilidade por parte dos consumidores de São Paulo, os quais também revelaram menores intenções de compra. Entre os queijos simbióticos, o de vaca (QVS) foi mais aceito que o seu equivalente de cabra (QCS) em ambas as localidades, com intenção de compra >80% e >55%, respectivamente, em Sobral e em São Paulo. Os resultados revelaram que os queijos petit-suisse caprinos apresentam-se como matrizes alimentares adequadas para a incorporação de L. paracasei LPC-37 em combinação com os prebióticos inulina e FOS, com boa aceitabilidade sensorial, principalmente pelos consumidores de Sobral/CE.Título em inglêsDevelopment of synbiotic caprine petit-suisse cheese with açai (Euterpe oleracea Martius) pulp.Palavras-chave em inglês Fructans Functional foods Lactobacillus Paracasei Prebiotics Probiotics Resumo em inglêsThis study aimed to develop a synbiotic petit-suisse from goat milk and acai pulp, with the probiotic strain Lactobacillus paracasei LPC-37 and the prebiotic ingredients inulin and fructo-oligosaccharides (FOS), to verify the probiotic viability in the product and its survival under in vitro simulated gastric and enteric conditions and the characteristics of cheeses during storage at 4 ºC, and to compare the goat synbiotic petit-suisse cheese with the equivalent product produced from cow's milk. The experimental design consisted of three types of goat petit-suisse cheese, in triplicates, all of them produced using S.thermophilus TA-40 as the starter culture: CGC = control goat cheese; PGC = probiotic goat cheese (with LPC-37); SGC = synbiotic goat cheese (with LPC-37 + prebiotics). The cheeses were stored at 4 ºC and analyzed weekly for up to 28 days. Additionally, for comparison purposes with the SGC, a similar cheese produced from cow's milk: SCC = synbiotic cow cheese (with the starter and the probiotic culture LPC- 37 + prebiotics). The viability of the probiotic and of the starter culture, the probiotic survival under in vitro simulated gastrointestinal, as well as the pH, titratable acidity, and instrumental hardness of cheeses were monitored in the final product and weekly until 28 days of storage. Cheese samples were kept frozen and freeze-dried one day after production, respectively, for analyses of their chemical composition and their fatty acids profile. The sensory acceptability of cheeses by consumers from two different locations - Sobral/ CE and São Paulo/ SP was conducted, respectively, on days 7, 14, and 21 and on days 14 and 21 of storage. Sensory evaluation in São Paulo was conducted at two points due to difficulties regarding transportation of the cheeses to São Paulo.The petit-suisse goat cheeses LPC-37 populations were always above 7.93 log CFU/ g up to aLactobacillus paracasei aCaprino aLeite de cabra aQueijo aTecnologia de alimento aAlimentos funcionais aFrutano aPrebiótico aProbiótico